quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Comida alemã no Caverna Bugre

Quando falamos em comida alemã, automaticamente pensamos em salsicha e chucrute! Mas enganam-se aqueles que pensam que a culinária alemã tem apenas esses pratos para apresentar. As diferenças entre as regiões norte e sul da Alemanha (norte protestante com maior influência nórdica, sul católico com maior influência latina e eslava) se refletem na sua rica gastronomia. As saladas deixam de ser acompanhamento e acompanhadas de um bom pão escuro tornam-se pratos principais. Além das salsichas de todas as formas, tamanhos, cores e sabores, falar da Alemanha é também falar de queijos, salames e presuntos infindáveis, carnes, molhos (muitos molhos!), pães de várias preparações diferentes e claro, applestrudel. Entre as salsichas, a Bockwurst (feita com carne de vitela e porco), a Bratwurst (feita com carne de vitela, porco ou vaca) e a Weisswurst (salsicha branca feita com vitela e toicinho, tradicional da Baviera) são as mais consumidas. Enquanto a Weisswurst é consumida cozida, as outras podem ser preparadas de várias maneiras: grelhadas, fritas, assadas... Sempre acompanhadas por boas mostardas.O pequeno restaurante Caverna Bugre em Pinheiros tem pratos tradicionais como o joelho (frito ou assado) acompanhado de chucrute, salsichas e batatas; costelinha com os mesmos acompanhamentos.O joelho e a costelinha fritos são bem sequinhos, nem escorre óleo na travessa. As salsichas são deliciosas e acompanham mostarda escura e clara. O carro chefe da casa é o filé alpino, filé mignon coberto com copa, catupiry, provolone e gratinado com molho inglês. O applestrudel além de delicioso pode vir acompanhado de sorvete de creme, que faz a combinação perfeita. A casa é pequena e o movimento é grande. Atenção ao estacionamento. A casa não trabalha com valet mas possui convênio com o estacionamento do outro lado da rua.


Caverna Bugre
Rua Teodoro Sampaio, 334 – Pinheiros
Tel (11) 3085-6984
www.cavernabugre.com.br

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Super Interessante

Edição 270/Outubro 2009



Pg 22
Cientistas inventam o chocolate perfeito
Ele não derrete e tem 90% menos calorias que o tradicional

O novo chocolate, que foi criado por pesquisadores suíços, promete essas vantagens sem nenhuma desvantagem. – supostamente, seu gosto é igual ao do chocolate comum. A nova fórmula surgiu nos laboratórios da empresa suíça Barry Callebaut ( a maior produtora de chocolate do mundo, com 1,1 milhão de toneladas por ano). O superchocolate, que chegará ao mercado em 2011, resiste a temperaturas de ate 55 graus, só derrete na boca, em contato com as enzimas da saliva.

Pg 32
As novas calorias
Encha o prato: alguns alimentos tem (bem) menos energia do que sempre se acreditou.
Texto: Marcela Chartier

Se você está querendo emagrecer, comemore. Um estudo afirma que certos alimentos podem ter bem menos calorias do que se acreditava. Isso porque o organismo não consegue absorver toda a energia que está contida na comida, já que gasta parte dela para fazer a digestão da própria comida. Parece elementar, não? Mas só agora, dois séculos depois que o cálculo de calorias foi inventado, surgiu uma fórmula que leva isso em conta.
O novo método de contar calorias foi criado pelo nutricionista inglês Geoffrey Liversey, que analisou 1.189 tipos de alimento. “Em alguns tipos de alimento, ricos em fibras e proteínas, a diferença pode ser significativa”, afirma a nutricionista Renata Maria Padovani, da Unicamp. Isso acontece porque as fibras e as proteínas são mais difíceis de digerir do que se imaginava. Os nutricionistas também estão descobrindo que o modo de preparo e até a textura doa alimentos podem alterar seu teor de calorias.
Cientistas da Universidade de Kyshu, no Japão, alimentaram dois grupos de ratos com a mesma quantidade de ração. Única diferença: a ração do segundo grupo era mole. Ao fim da experiência, algo incrível aconteceu. Embora ambos os grupos de ratos tivessem comido a mesma quantidade de comida, o segundo grupo (da ração mole) estava obeso. É que a ração dura era mais difícil de digerir – e os ratos gastavam mais energia para processá-la.
Apesar de tudo isso, a FAO (agência das Nações Unidas que determina os padrões globais de nutrição) já afirmou que não vai adotar a nova contagem de calorias – porque teme que ela possa agravar a epidemia de obesidade no planeta. E tem certa razão nisso: afinal, as pessoas já comem demais.




Pg 52
Manteiga deve ser guardada dentro ou fora da geladeira?
Texto: Nathália Brga


Se você é ousado, curte adrenalina e gosta de viver perigosamente, esta dica é para você: deixe a manteiga fora da geladeira. Se ela ficar mais de horas para fora, é aventura certa.
Para entender o porquê, é preciso começar pelo processo de fabricação. A matérias prima da manteiga é o creme de leite, que é gerado durante a pasteurização – o processo de esterilização. Esse creme, rico em gordura, é batido e submetido a um processo de nome engraçado, malaxagem, em que a água que ficou no interior da manteiga é retirada. O resultado é um produto formado basicamente por gordura láctea: 82%, contra 16% de água. Os 2% restantes são sal (ou não) e aromatizantes.
Justamente por ainda ser basicamente leite é que a manteiga requer cuidados de armazenamento. Fora da geladeira, bactérias e fungos fazem a festa sobre ela. Deixando-a rançosa e amarga – uma manteiga que sai para passear e não volta pode causar até intoxicação alimentar. Dentro do refrigerador, as temperaturas de 0 a 5 ºC freiam essa proliferação, estendendo sua vida útil.
Mas calma. Isso não significa o fim do prazer de deslizar a manteiga molinha no pão. É só não abusar: segundo o biomédico Roberto Figueiredo, especialista em higiene de alimentos, a manteiga pode ficar fora por até duas horas. Mas, se você não quer acordar ás 6 da manhã para guardar a manteiga até as 8h, a dica é deixá-la na porta da geladeira, onde a temperatura menos baixa a torna menos dura.