terça-feira, 15 de setembro de 2009

Entre Estantes e Panelas



Ontem, pela segunda vez, fui conferir o Entre Estantes e Panelas na Livraria Cultura do Conjunto Nacional... Infelizmente perdi as duas primeiras edições, mas a outras duas que assisti A.D.O.R.E.I! Especialmente ontem sobre Blogueiros da Alimentação! Anotei vários blogs citados para dar uma conferida depois, e assuntos muito interessantes como a conduta de ética dos blogueiros foi abordado.
Foram discutidas questões como o que faz um blog ser mais lido e como ser um "crítico" de restaurantes por conta própria...
O Carlos Dória (muito fofo) em certo momento da discussão, questionou o Luiz Américo, jornalista do Estadão e blogueiro, porque ele, um jornalista com credibilidade e uma coluna fixa em um jornal de repercussão, tem um blog? Qual o limite que o jornal impõe que o blog desbloqueia?
Pergunta difícil, Américo respondeu que o ato de ter um blog cria uma opnião, é um espaço onde você coloca no ar as SUAS opniões, você é uma pessoa comum ali. No jornal não.
Mas no jornal você seria o que? Um personagem? Não... você continua sendo o Luiz Américo do Estadão no seu blog pessoal... E sua opniões definem o seu estilo de escrita. Então, qual a diferença?
É preciso pensar muito sobre a questão...

Outro tema, os blogs de crítica gastronômica. Há zilhões dele aqui, inclusive esse que você lê... É correto uma pessoa que não tem formação sobre isso emitir opniões sobre restaurantes, que talvez sejam lidos por milhares de pessoas, e que irá influenciar na opnião e na escolha das pessoas? É justo com os donos de restaurante? É justo com os leitores? Há especialistas que acham que não, e outros que acham que sim...
Na MINHA opnião, e como esse é MEU blog, e eu teoricamente posso falar o que eu quiser, eu acho que sim.
Só porque eu não tenho formação acadêmica em economia, eu não posso administrar as contas da minha casa? Ou só porque eu não sou decoradora, não posso assumir a decoração da minha sala de jantar? Tenho que necessariamente depender de um decorador profissional pra isso?
Eu acho que não. A crítica gastronômica de um blog é totalmente diferente da crítica gastronômica de um crítico, especialmente porque um é publicado num meio livre, e não necessariamente precisa de um identificador que assuma a autoria do texto, e o outro é publicado no NY Times.
Meu texto não precisa passar pelo crivo de ninguém antes de ir ao ar. Só do meu.
E por isso Luiz Américo tem um blog fora do Estadão.
Mas essa é só minha opnião.
No meu blog.
Enfim...!

Quem puder, mês que vem, não perca o Entre Estantes e Panelas.
E se você se animar a ir, faça como eu. Vá de metrô. Desça na estação Consolação. Ande até a Padre João Manuel e desça até a José Maria Lisboa. E não resista ao pão ciabatta folheado da Benjamin Abrahão...
Todo mundo conhece a história de Benjamin Abrahão, um dos melhores padeiros do estado de São Paulo... Nascido em Franca, começou na padaria aos 10 anos e em três anos já frequentava as melhores casas de aperfeiçoamento. Seu falecimento em 2001, fez com que seu neto de apenas 15 anos assumisse a cozinha. Desde então foram inauguradas mais de 10 unidades em São Paulo.
Um café com leite, um sanduíche de presunto parma e queijo ementhal no pão ciabatta folheado, um suco de melancia, uma bomba de chocolate e uma broa mineira... No ipod Little Joy pra ver a chuva pegar o distraídos...


Benjamin Abrahão - Jardins
Rua: José Maria Lisboa, Nº 1397 - São Paulo SP
Telefone: (11) 3061-4004
créditos da foto:site benjaminabrahao.com.br

Nenhum comentário: