domingo, 31 de maio de 2009

O polpetone do Jardim de Napoli

Esse é mais um dos posts que eu guardei na cabeça pra postar mas acabei me esquecendo... Mas uns meses atrás uma amiga minha de Uberaba veio passear aqui em São Paulo no final de semana e me convidou para almoçar com a família dela no Jardim de Napoli.
Adorei o convite porque já tinha lido sobre lá no Destemperados!
O Jardim de Napoli é mais um entre os vários tradicionais e antigos restaurantes italianos da cidade... Muito famoso pelo polpetone!
A casa é pequena, as mesas são bem próximas, apertadas e disputadas! Cheguei cedo e eles já tinham reserva mas o salão estava cheio e quando fomos embora, quase 14h tinha uma fila gigantesca lá fora!
O atendimento é ótimo, me impressionou como os garçons dão conta de tanta gente, se bem que o ritmo lá é outro! Pelo que pude entender praticamente todos os garçons tem por volta de 10 anos de casa!
Atenção! Os pratos são grandes, dá pra dividir metade-metade, vem em pratos separados e a porção é bem servida!
O couvert é delicioso, não deixe de pedir também!
E o polpetone, é um senhor polpetone! Delicioso, feito de alcatra e filé, recheado de mussarela e com uma casquinha muito crocante por fora!
E um bônus, o vallet é gratuito!

Outro lugar que eu conheci, pra comemorar meu aniversário foi o restaurante Passaparola, do Alessandro Segato. O restaurante tem uma arquitetura liiiinda, super agradável e confortável. O couvert tem um pão novinho, fofo e quente com várias pastas de acompanhamento! Manteiga, patê de rúcula, patês salmão, de queijo, sardela e patê de frango com mel.
Também tem sucos diferentes como o de maçã verde com água de coco; morango, uva itália e cacau; damasco, água de côco, mamão e mel; limão cenoura e couve.
No cardápio não faltam carnes e massas. Mas ainda há opções de pratos lights e vegetarianos como o hamburguer de lentilha com tofu marinado no alho.
apesar das boas opções e do bom cardápio, os pratos deixaram um pouco a desejar! As massas são muito bem feitas, cortadas em formas de flor, a parte de cima branca a de baixo colorida... Mas os recheios são muito, MUITO, fortes. Principalmente o prato do dia do chef, que era recheado de queijo brie, e o brie já devia estar um pouco passado por que estava com aquele gosto beeeeeem forte!
As sobremesas também desapontaram, salvando apenas o mil folhas de frutas vermelhas e o brigadeiro de colher.
Conta salgada para pratos que desapontaram um pouco... Na saída o salão só tinha outras 3 mesas, e no vizinho Seraphine tinha fila pra entrar...

E semana passada eu dei uma conferida num lugar que sempre tive vontade de conhecer de tanto ouvir o Katsuki falar! É o Viandier Casa de Gastronomia!
É uma casa que reúne um pouco de tudo! Aulas de culinária e cursos diversos, empório de vinhos, ingredientes e utensílios, livros, e algumas mesinhas que dão um ar de bistrô charmoso e combinam muito bem com o pequeno jardim que separa o salão da cozinha.
O cardápio é enxuto mas encanta. Serve almoço, com cardápio especial para cada dia da semana. Me interessou mais quarta e quinta feira! Ainda tem lanches, saladas, docinhos e bem casados! A casa é um charme só!

Eu acabei comendo um lanche e amei! Um filé com finas fatias de abacaxi grelhado com mel e chutney de ameixa no pão de baguete! O couvert tinha vários pães quentinhos, manteiga e abobrinha e beringela marinada. O atendimento é ótimo, todo mundo simpático e sorridente. Só não gostei muito do bem casado, que achei um pouco secão.
Segundo Katsuki, Le Viandier foi a primeira obra de referência gastronômica mundial, escrita por Guillaume Tirel por volta de 1380, a pedido do Rei Carlos V da França. Do latin vivenda, "viandier" significa "o provedor de alimentos".


Jardim de Napoli
Rua Dr. Martinico Prado, 463 Higienópolis
Fone: (11) 3666.3022

Passaparola
Rua Jacques Félix , 239 Vila Nova Conceição
Fone: (11) 3044-4949


Viandier
Al. Lorena, 558, Jd. Paulista
Fone: (11) 3057-2987

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Até que você se separe...

Essa semana deixei a preguiça de lado e comecei a atualizar o blog e colocar a leitura em dia... Dezenas de blogs acumulados pra ler, revistas de dois meses atrás ainda estavam empilhadas na cama ao lado, um livro que nem me lembro quando foi a última vez que mudei o marcador de página, posts que guardei na cabeça pra escrever e acabaram perdendo-se... O fato é que quando eu comecei a trabalhar meu tempo reduziu drasticamente, mas mesmo assim preciso confessar que eu tinha sim um tempinho aqui outro ali pra postar ou pra ler mas eu me encontrava num êxtase tão grande que eu nem queria falar ou escrever sobre outras coisas... Eu só falava de trabalho, só respirava trabalho, só alugava a cabeça das pessoas sobre trabalho e achava tudo lindo e feliz e que todo mundo tinha que saber! Aí o sonho acabou de um dia pro outro, e eu me vi frustrada, decepcionada, prostrada na cama durante algumas semanas, contagiada pelo tédio imenso de de repente não ter nada pra fazer e o pior de tudo, aterrorizando as outras pessoas com meu mau humor mórbido... Mas, como tudo na vida passa, é verdade, isso passou também.
Hoje estava passeando por uns blogs que eu Bato Ponto, e um deles é o da Constance Zahn, que antes tinha um blog que chamava Bem Casadas e hoje eu descobri que mudou de endereço, mas continua lindo. Não é um blog de comidas, nem de notícias, nem um blog político-inteligente como o do meu irmão que eu finjo ler diariamente só me sentir um pouco inteligente. É um blog sobre CASAMENTO.
Quem me conhece sabe que eu não sou nem um pouco louca por casamento. Não sou nem pro, nem contra. Não me imagino casando, aguentando a mesma pessoa todos os dias na MINHA casa, mas também não sou nenhuma Taciana que quando recebe um convite de casamento liga pra noiva e berra um indignado PORQUE??????????????????????????????????????
Aliás, (desde que não seja o do meu irmão) eu A-D-O-R-O festas de casamento... Sempre tem uns muito bêbados que ficam causando na pista de dança, sempre tem os padrinhos que querem visivelmente agarrar as madrinhas, sempre tem muito champagne e muita comida, a música é brega mas é aquele brega que todo mundo no fundo adora dançar! Sempre tem uns vestidos absurdamente medonhos, umas crianças que parecem mais animais do que mini seres humanos, e eu SOOOOOOOOOOOONHO em presenciar o dia que alguém diga EU SOU CONTRA ESSE CASAMENTO quando o padre perguntar!
É por tudo isso que eu adoro passear por esse blog da Constance Zahn... Além de tirar algumas inspirações para decoração de eventos, montagens de mesas, e até docinhos, as fotos são tão absurdamente lindas que eu sempre paro pra pensar que sim, ainda existem homens que se apaixonam, ainda existem pessoas que casam por amor e não por herança, status ou gravidez, e esse dia é sim um dos maiores sonhos de algumas pessoas.
A essência do casamento na vida real é linda.
Lá no Senac mesmo, eu tenho uma pessoa muito querida, que eu tive o prazer e a sorte de tornar-me amiga. A Fernanda tem apenas 27 anos e há quase 3 é casada com o baiano estrela da propaganda nacional Gustavo. Eles são o casal dos sonhos de qualquer mortal um pouco romântico. Primeiro porque além de jovens, ambos são bonitos, ambos são absurdamente malucos um pelo outro e eles são RICOS! Ou seja, além de casados eles moram numa chácara linda na Granja Viana, cheio de labradores cor de caramelo e passam o carnaval em NY!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Quem disse que casamento é só bagaceiragem, Taciana????????
Mas por mais que eu tenha uma vontade imensa de ter dinheiro, não é só ele que salva um casamento nem que o torna digno de ser invejado. Não faz muito tempo que eu me emocionei muito no casamento da minha prima Kasue. Primeiro porque o noivo conseguiu chorar mais que ela, segundo porque quando acabou a cerimonia ele saiu do altar com ela dançando e estalando os dedos quase que discretamente mas dava pra ver que era uma alegria diferente de qualquer uma que eu tenha sentido. Aquilo ali, eu nunca senti. E tenho certeza que só se consegue aquela essência se o casamento for baseado nisso:
Daniela & Renato

Gabi Sallit & Alexandre

Jane & Rafa

Eliana & João Carlos

Juliana & Ernesto

Gabi Mello & Guilherme

Roberta & Bruno

Mariana & Junior

Fernanda & Roberto

Tatiana & Ricardo

As fortos são desse post, desse blog.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Moqueca de camarão com banana


De volta às postagens de receitas agora que arrumei uma super máquina digital genérica e um celular novo com uma boa câmera pra quebrar o galho também! Além do mais, desempregada, quase que obrigatório voltar a cozinhar em casa nos finais de semana, porque como diz JP " Marina, seria bom se você começasse a ajudar EU e minha na cozinha..."
Além de muita ousadia da parte da pessoa, ela ainda bate três pratos de moqueca e (sem brincadeira, eu juro!) 5 PETIT GATEAUs!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Mas como sem noçãozisse é a cara dele, ele ainda vira pra mim e fala que eu to gorda demais........!
A minha moqueca seria estilo capixaba, sem azeite de dendê (pq minha não gosta) e sem leite de côco, mas acabei colocando o leite de côco.
Não foi feita em panela de barro porque só nas férias irei a roubar a do meu pai, e eu queria colocar banana da terra mas estava verde no supermercado, então foi a nanica mesmo!
E a receita original é do Chucrute com Salsicha que se inspirou no Come-se!
Comecei refogando um punhado de sementes de urucum numa boa quantidade de azeite. Deixei esfriar e removi as sementinhas. Acrescente cheiro verde picadinho no azeite que ficou avermelhado pelo urucum. Procurei um molho de tomate caseiro que eu acreditei que tinha na geladeira mas não tinha então tive que improvisar e usei uma garrafa de suco de tomate e engrossei com quatro tomates concessè picados em pedaços médios. Temperei com sal e pimenta. Quando o molho ficou um pouco grosso, afundei ali os camarões que tinham sido previamente temperados com sal, pimenta e suco de limão. Deixei cozinhar por dois minutos contados. Acrescentei as rodelas de banana. Tampei e deixei cozinhar por mais um minuto apenas, com cuidado para os camarões não passarem do ponto. Misturei uma garrafa de leite de coco. Acertei o sal. Servi com arroz branco.

Para ficar de olho

Interessantíssima a reportagem sobre restaurantes amigos para cegos que saiu na Revista da Folha de domingo.

Para ficar de olho.
por William Vieira.

Um guia para cegos usufruírem da diversidade gastronômica de São Paulo.
O advogado Geraldo da Fonseca Filho, 50, convida a mulher, a auxiliar de enfermagem Bernadete Oliveira, 49, para jantar fora. Escolhem um local perto de casa, na Aclimação, zona sul.
O casal senta-se à mesa e espera o atendimento. Leva 20 minutos até que alguém de outra mesa chame o garçom, que, finalmente, vai ler o cardápio.
Eles são deficientes visuais. "Os restaurantes nunca têm cardápio especial", diz Geraldo. Os cegos dependem da ajuda de estranhos.
A maioria dos estabelecimentos da cidade descumpre a lei 2.363, regulamentada em 1997, que obriga bares, restaurantes e similares de São Paulo a terem cardápios adaptados em braile.
A Secretaria Municipal de Saúde diz que investiga denúncias e o cumprimento da legislação sanitária - mas que não há dados sobre o descumprimento da lei ou a eventual aplicação de multas (R$ 500 por infração).
Para usufruir da variedade gastronômica da cidade, os deficientes visuais evitam self-services e locais lotados.
Geraldo sempre pede ao garçom que leia os itens do menu (e preços), o que leva até dez minutos. Comida servida, solicita que seja cortada. "Preciso saber onde fica cada coisa, para evitar uma bagunça pra quem está vendo." Depois, o último pedido: a discriminação da conta.
A Revista fez um levantamento dos estabelecimentos "amigos dos cegos".
A Fundação Dorina Nowill para Cegos firmou, em agosto do ano passado, uma parceria com o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de São Paulo, para produzir menus em braile.
Desde então, mais de 200 estabelecimentos já os fizeram. A média mensal é de 30 novas encomendas. "É pouco, mas é um avanço", diz Walter Espíndola Jr., gerente da Dorina Nowill.
A produção é simples. A empresa manda o cardápio, que é adaptado por editores, revisado por cegos e impresso. "O menu em braile proporciona autonomia e independência", diz Maria Cristina Felippe, 55, gerente de atendimento da Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual.

Como os deficientes visuais podem contornar eventuais dificuldades:
* Escolher bem o restaurante, se for self-service, melhor ir acompanhado; se não, pergunte se há um funcionário que possa descrever os alimentos e onde estão eles;
** Já na chegada, esclarecer ao funcionário (hostess, maître ou garçom) que é deficiente visual;
*** Pedir para sentar na área de maior fluxo de garçons (para facilitar a solicitação dos serviços);
**** Cardápio em braile é lei - portanto, exija; se não houver, peça para o garçom ler os itens, os produtos e os preços;
***** É conveniente pedir a disposição dos alimentos (onde está o quê no prato);
****** Na hora da conta, pedir que o garçom leia item por item. Nada disso é favor, mas sim obrigação do restaurante para com o cliente.

Restaurantes e Bares "amigos dos cegos":

Alimentari di Sergio Arno
Rua Pedroso Alvarenga, 545, Itaim Bibi.

Almanara
Rua Oscar Freire, 523. Cerqueira César.

Antiquarius
Alameda Lorena, 1.884, Jardim Paulista.

Barbacoa
Rua Doutor Renato Paes de Barros, 65, Itaim Bibi.

O bar baro
Rua Pequetita, 179A, Vila Olímpia.

Black Dog
Alameda Joaquim Eugênio de Lima, 612, Jardim Paulista.

Congonhas Grill
Av. Washington Luiz, s/n, 2º andar, Vila Congonhas.

Fasano
Hotel Fasano, rua Vitório Fasano, 88, Cerqueira César.

La risotteria Alessandro Segato
Rua Padre João Manoel, 1.156, Cerqueira César.

The Fifties
Rua Tapauã, 1.100, Itaim Bibi.

Via Casteli
Rua Martinico Prado, 341, Vila Buarque.

Wraps
Rua Horácio Lafer, 257, Itaim Bibi.

domingo, 3 de maio de 2009

Estatística


Bad. Bad. Bad news...
Quem comeu no Braverie comeu, quem não comeu não come mais!
É vero people... Para NOSSA tristeza geral, a Bruna, dona do Braverie, recebeu uma mega proposta pelo restaurante e sem dó nem piedade vendeu!
Geral foi demitida, não ficou um... Do chef ao faxineiro, ou melhor, ao estagiário!
Tudo que é bom dura pouco, e pra gente vai ficar só saudade.
Problema social eu sempre fui, agora voltei a ser estatística de desemprego no país...



.Boteco Braverie.

.Texturas de caipirinha.

Saudade.